Esta é a versão antiga da Dying Days. A nova versão está em http://dyingdays.net. Estamos gradualmente migrando o conteúdo deste site antigo para o novo. Até o término desse trabalho, a versão antiga da Dying Days continuará disponível aqui em http://v1.dyingdays.net.


discografia,
letras e reviews:
* principal
* complementar
Home | Bandas | Letras | Reviews | MP3 | Fale Conosco
Review: Unplugged in New York

avaliação:5.gif (119 bytes)

Nirvana_Nevermind.jpg (9183 bytes)
Era de estranhamento a reação quando, em meados de 1993, o Nirvana entraria na onda e gravaria o seu acústico. Afinal, o tosco trio estava acostumado a fazer muito esporro com guitarras elétricas. Não se sabia como se comportariam ali. O resultado foi um álbum clássico.

Kurt e Cia. iniciam com a clássica "About A Girl" do primeiro disco, Bleach, de 1989. "Come As You Are", outra clássica e erroneamente subestimada, vem em seguida, com toda a sua magnitude. As surpresas começam logo: um belíssimo cover de "Jesus Doesn't Want Me For A Sunbeam", dos Vaselines, ídolos de Kurt. Incluindo até troca-troca nos instrumentos: David pegou o baixo, enquanto Krist pulou para o acordeão (!), muito bem tocado, por sinal. Outro cover, agora para a clássica "The Man Who Sold The World", do camaleão David Bowie. É difícil, mas acho que Kurt conseguiu melhorar ainda mais a linda música, com sua bela interpretação. "Pennyroyal Tea" aparece numa excelente versão, só a voz e o violão de Kurt. As delicadas texturas de "Dumb" ficaram ainda mais evidentes com violões. Tocam três do clássico Nevermind: a clássica "Polly", "On a Plain" e "Something In The Way", esta em versão perfeita. Kurt supreende chamando para o palco os grandes "irmãos Meat Puppets", Curt e Cris Kirkwood. Tocam "Plateau", "Oh Me" e "Lake Of Fire", todas do clássico segundo álbum dos Puppets. Apresentações feitas, o show continua com "All Apologies". Deixam para o gran finale a excelente "Where Did You Sleep Last Night", cover do Leadbelly, que também havia sido gravado pelo screaming tree Mark Lanegan, com participação de Kurt e Krist, em seu primeiro disco solo, em 1989. Com o Nirvana, a canção ganhou um tom angustiado, graças aos característicos vocais de Kurt.

Vale destacar neste disco a boa participação de Pat Smear nos violões e o repertório pouco óbvio (ou alguém esperava "Smells Like Teen Spirit" ou "Heart Shaped Box"?), com covers legais e obscuros. Além, claro, da maravilhosa oportunidade de ver o maior gênio dos últimos tempos dando a alma em belas músicas.

Jonas Lopes