Esta é a versão antiga da Dying Days. A nova versão está em http://dyingdays.net. Estamos gradualmente migrando o conteúdo deste site antigo para o novo. Até o término desse trabalho, a versão antiga da Dying Days continuará disponível aqui em http://v1.dyingdays.net.


discografia,
letras e reviews:

* principal
* complementar
* xmas singles

Home | Bandas | Letras | Reviews | MP3 | Fale Conosco

Review: No Code

avaliação:

Decepcionante. Esta é a sensação quando se ouve "No Code". Ainda mais se você o ouviu na época em que ele foi lançado. O Pearl Jam havia lançado dois clássicos ("Ten" e "Vs."), um ótimo álbum ("Vitalogy"), participou de uma trilha sonora e soltou duas de suas melhores músicas (Breath e State of Love and Trust) e tinha lados b e músicas ainda não lançadas que eram tocadas em shows (Brain of J, Habit, Alone, Let me Sleep, I Got ID).

Com esse currículo, o que esperar? Um outro álbum de primeira. (nota do autor: Eu ganhei esse álbum em 09/96 de presente de aniversário, talvez a minha decepção tenha sido maior por isso). A saída de Dave Abbruzzese é a primeira tristeza a ser sentida. Eu sei que Jack Irons é importante historicamente para o Pearl Jam, mas com a entrada dele o Pearl Jam perdeu pegada, energia. Nos outros álbuns, a bateria era onipresente, fazendo a cadência das músicas terem uma emoção muito maior. Isso praticamente inexistiu em "No Code".

Recuperado do primeiro trauma, você espera que mesmo assim seja um álbum respeitável. As duas primeiras músicas são boas, uma baladinha legal e um rock legalzinho. Aí começam a surgir músicas de gosto duvidoso, experimentais, sem resquícios do que já tinha sido o Pearl Jam. Who You Are e In My Tree são músicas que devem ser puladas. Smile, Off He Goes e Habit são grandes músicas. A gaita ficou bem encaixada em Smile e Off he Goes é uma grande balada, do nível das baladas já feitas antes pelo Pearl Jam. Agora Habit, quem ouviu as versões ao vivo antes do "No Code" ser lançado, sente a diferença. A música continua boa, mas falta a pegada que o Dave Abbruzzese dava na música. Ficou aquém da versão com o Dave.

O resto do álbum deve ser esquecido, tirando a raivosa Lukin e Mankind, a única música do Pearl Jam não cantada por Eddie até aqui. Red Mosquito em seu pseudo blues/música de salão é chatíssima, I’m Open é esquisitona, enfim, esqueça. Esse álbum divide os fãs de Pearl Jam. Para muita gente, o experimentalismo e a nova sonoridade caiu bem. Para outros, é um álbum que deve ser esquecido.

A minha opinião sobre "No Code" é a seguinte: Se você é fã, compre e deixe guardado para a sua coleção. Se você não é fã, não passe nem perto dele. Com certeza, é o pior CD lançado pelo Pearl Jam. Há quem diga que a saída de Dave e o corte dos cabelos fez mal à banda. Só uma coisa é certa. Esse álbum marcou o início de uma nova fase no Pearl Jam, não tão boa quanto antigamente. Infelizmente.

Gustavo Brandão Soares do Nascimento