Esta é a versão antiga da Dying Days. A nova versão está em http://dyingdays.net. Estamos gradualmente migrando o conteúdo deste site antigo para o novo. Até o término desse trabalho, a versão antiga da Dying Days continuará disponível aqui em http://v1.dyingdays.net.


arquivo
Home | Bandas | Letras | Reviews | MP3 | Fale Conosco
Review: Temple Of The Dog

avaliação:

Esse álbum apresenta o trabalho conjunto de membros de duas famosas bandas de Seattle, Soundgarden e Pearl Jam (esta última não existia ainda). Vocês provavelmente já conhecem a história em torno do projeto/tributo Temple Of The Dog, então me concentrarei em escrever apenas sobre minhas impressões a respeito do disco.

Quanto ao som, TOTD segue a linha do rock ao estilo clássico, bem típico. Típicas baladas (Say Hello To Heaven, Times of Trouble e as melosas Call Me A Dog e All Night Thing, essa última um convite a sonolência) e até um típico rock-blues-arrastado-com-solos-intermináveis (Reach Down, que depois de algumas escutadas, acaba tornando-se extremamente sacal). Apesar de músicas meio manjadas, há aquelas que se destacam: Pushing Forward Back (a mais pesada do disco, com intrumental praticamente todo tirado de uma demo do Green River), Wooden Jesus, Your Savior e a própria Say Hello To Heaven. Não podemos nos esquecer da relativamente famosa Hunger Strike, que conseguiu mais notoriedade por apresentar um dueto entre Cornell e Vedder do que pela música em si. Ora, qualé o/a "grungete" de plantão que já não ouviu essa singela composição?

Ao final, tem-se a sensação do álbum realmente se tratar de uma despretensiosa homenagem, sem nenhuma intenção de inovação, mas ao mesmo tempo com um grande apelo radiofônico. Parece que foi uma forma de Chris Cornell extravazar seu lado mais romântico, coisa que ele definitivamente não fazia no Soundgarden. No geral, um trabalho que ficou abaixo de minhas expectativas; superestimado por muitos, ao meu ver. Mesmo assim o Temple Of The Dog tem seus momentos agradáveis e é possível apreciá-lo numa boa, principalmente se você pular aquelas faixas mais chatinhas...

Éder Kichler