Esta é a versão antiga da Dying Days. A nova versão está em http://dyingdays.net. Estamos gradualmente migrando o conteúdo deste site antigo para o novo. Até o término desse trabalho, a versão antiga da Dying Days continuará disponível aqui em http://v1.dyingdays.net.


Home | Bandas | Letras | Reviews | MP3 | Fale Conosco

Screaming Trees: 
Sweet Oblivion era para ter sido um álbum conceitual

A revelação foi tirada do site oficial do ex-guitarrista do Screaming Trees Gary Lee Conner. O álbum Sweet Oblivion, de 1992, que tornou a banda conhecida na verdade foi idealizado para ser o primeiro álbum conceitual da carreira do Trees. A gravadora Epic Records, ao saber da ousadia, entrou em atrito com o grupo para forçar a mudança. O Trees foi obrigado a refazer as letras e a arte do encarte do disco quando a gravadora ameaçou processá-los na justiça.

COMO ERA PARA TER SIDO: Sweet Oblivion na verdade, nasceu da idéia de um álbum conceitual baseado na idéia de cobrir um dia dos hábitos alimentares de Mr. Gary Lee Conner. O nome do álbum era para ser "Sweet Raspberry Vinagrette" e letras como "oh sweet raspberry vinagrette tastes alright" tiveram que ser corrigidas para "oh sweet oblivion feels alright".

Confira abaixo como deveria ter sido o tracklist e a capa do disco da maneira como foi idealizado pela banda: 

Screaming Trees: 
Sweet Raspberry Vinagrette


Tracklisting:

01. Salad of the Season
02. Nearly Tossed It
03. Dollar Tip
04. (Should I Eat) More or Less
05. Butterflied Shrimp
06. The Secret Binge
07. Winter Squash
08. Troubled Times in the Growler
09. No One's Roll?
10. Ice Cream Paradise

Fonte: Gary Lee Conner's Moonbus

Visite o site de Gary Lee, onde podem ser comprados cd's com material solo deste que é um dos mais distintos guitarristas da safra de Seattle. Está disponível também uma excelente galeria de fotos do Screaming Trees com comentários esclarecedores de Mr. Gary Lee (alguns deles hilários), e um relato completíssimo dos primeiros anos da banda, de fazer brotar lágrimas nos olhos. Ah, e sobre o bom-humor do álbum conceitual-gastronômico, é só uma amostra do porquê dos irmãos Conner serem os sujeitos mais "gente-fina" do rock de Seattle.

Alexandre Luzardo, um dos editores deste website e sócio fundador da Associação dos Adoradores de Bandas que o Mundo Odeia, estava navegando pela home-page de Gary Lee Conner quando achou o jpg com as informações sobre esse fabuloso furo de reportagem.