Esta é a versão antiga da Dying Days. A nova versão está em http://dyingdays.net. Estamos gradualmente migrando o conteúdo deste site antigo para o novo. Até o término desse trabalho, a versão antiga da Dying Days continuará disponível aqui em http://v1.dyingdays.net.


discografia,
letras e reviews:
* principal
* complementar
Home | Bandas | Letras | Reviews | MP3 | Fale Conosco
Review: Incesticide

avaliação:

Com o estouro de Nevermind, a pressão sobre o Nirvana para gravar um novo disco era enorme. Porém, a banda estava sempre na estrada, atendendo à demanda. Então, a idéia: uma coletânea de lados-b, covers e raridades para saciar os fãs até o próximo disco. "Dive" inicia bem Incesticide. É uma canção que representa bem o Nirvana, com a mistura de peso e melodia. Poderia perfeitamente estar em Nevermind e possui um grande refrão.

A clássica "Sliver" mantém o pique com vigor e energia, e ainda a grande produção do mago Jack Endino. Notável a influência de Pixies nesta música. Já a pesada "Stain" remete à Bleach, estréia da banda. A ótima "Been A Son" resume: curtinha, com boa melodia e um refrão que não sai da cabeça. Em seguida, três covers: "Turnaround", dos palhaços do Devo, e duas dos Vaselines: a divertida "Molly's Lips" e "Son Of A Gun". É visível o sabor punk que a turma de Kurt deu às músicas. "(New Wave) Polly" é uma versão hardcore para a clássica balada de Nevermind. E acreditem, ficou muito bom. O cheiro de Bleach volta a dar as caras em "Beeswax" e, principalmente, a hc "Downer", que é uma regravação da canção que já estava no disco de estréia. As guitarras são o destaque de "Mexican Seafood" e o baixo explode na original e inventiva "Hairspray Queen". A produção de Endino volta a se destacar na metaleira "Aero Zeppelin", que fica rapidona no final, com vocais gritados até a veia.

Duas músicas maravilhosas fecham o disco. A primeira, "Big Long Now", é a mais surpreendente de Incesticide, por ser diferente dos trabalhos do trio e levar o ouvinte a outra grande banda de Seattle, o Alice In Chains. A canção não destoaria em nada no Dirt, clássico da banda de Layne Staley. A absolutamente sensacional "Aneurysm" fecha o trabalho muito bem, com uma introdução excelente, mudanças de andamento instigantes, grande letra e vocal, maravilhosa desde os primeiros acordes até as últimas microfonias. CLÁSSICA!!!

Incesticide é um disco gostoso de se ouvir, por conter basicamente músicas curtas (com exceção das quatro últimas), divertidas e simples. Mais uma grande ídéia do gênio Kurt Cobain.

Jonas Lopes