Esta é a versão antiga da Dying Days. A nova versão está em http://dyingdays.net. Estamos gradualmente migrando o conteúdo deste site antigo para o novo. Até o término desse trabalho, a versão antiga da Dying Days continuará disponível aqui em http://v1.dyingdays.net.


Home | Bandas | Letras | Reviews | MP3 | Fale Conosco
Review: Purple

avaliação:

O Stone Temple Pilots sempre foi taxado como cover do Pearl Jam. Principalmente por causa de Plush, primeira música de sucesso da banda (do álbum de estréia Core), cuja sonoridade e vocais lembram muito a banda de Seattle. Porém, em seu segundo disco, Purple, o STP mostrou uma evolução muito grande em relação ao seu trabalho debutante.

O vocalista Scott Weiland já começava a adotar um estilo próprio em seus vocais, distanciando-se mais de ser um clone de Eddie Vedder. O guitarrista Dean Deleo mostra bastante segurança com riffs e solos marcantes e seu irmão, Robert Deleo, confirma ser um excelente baixista, com arranjos perfeitos, como em Big Empty.

Os destaques do álbum ficam por conta de Interstate Love Song (com um riff excelente e um refrão pegajoso), Vasoline, além da já citada Big Empty, que possui um ótimo trabalho de slide por parte do guitarrista Deleo. Músicas como Silvergun Superman, Meat Plow, Army Ants, além da balada Still Remains e da pancadona Unglued, também merecem um enfoque especial. A parte negativa do CD está nas inexpressivas faixas Pretty Penny e Lounge Fly. Entretanto, elas não comprometem o ótimo trabalho da banda.

Por fim, existe uma bouns track meio que escondida no final do álbum, que é apenas a descrição do cd, ou seja, Twelve Gracious Melodies (contando com ela). Pra quem não conhece o Stone Temple Pilots, Purple é um ótimo começo.


Robson Carlos Heringer de Oliveira